fbpx

Canadá é oportunidade para negócios do setor de alimentos e serviços de TI

As pequenas e médias empresas brasileiras que desejam vender para o mercado consumidor do Canadá tem fortes oportunidades nos setores de alimentos e bebidas, bem como na oferta de serviços na área de tecnologia. O setor nacional de games e de softwares de gestão empresarial, por exemplo, têm bastante potencial de inserção neste mercado, destacou a diretora-executiva da São Paulo Negócios (SP Negócios), Silvana Scheffel, durante um evento promovido pela Câmara de Comércio Brasil-Canadá (CCBC), na última sexta-feira (22).“Existe um grupo de empresas no município de São Paulo que desenvolve games para o setor educativo, área que é extremamente forte no Canadá. Nós também temos muitas empresas [paulistanas] que desenvolvem softwares de gestão, que também têm muita possibilidade de crescer naquele país”, diz.A diretora da SP Negócios explica que já existem casos de exportação dos dois serviços do Brasil para o Canadá, porém destaca que ainda há muito espaço para crescer.A SP Negócios tem atendido e capacitado muitas empresas de higiene pessoal e cosméticos, cujos produtos são de consumo elevado dos canadenses. Uma outra frente do município é a exportação de partes e peças de equipamentos industriais para o Canadá, pauta que já tem consolidação naquele mercado.O diretor de Relações…

Continuar lendo

Novo Processo de Importação já é acompanhado por 82% das principais empresas importadoras

São Paulo – Um levantamento feito pela multinacional de tecnologia Thomson Reuters em parceria com o Instituto Aliança Procomex ouviu cerca de 200 profissionais das principais empresas que importam mercadorias no Brasil e seus parceiros para conhecer os principais desafios e oportunidades com relação ao Novo Processo de Importação, que entra em vigor em 2020. A sondagem constatou que 73% deles já estão se movimentando para mudar os processos internos, enquanto 66% pensam em atualizar a solução tecnológica que utilizam para a gestão de comércio exterior. O estudo também revela que as empresas estão mais atentas aos prazos, uma vez que 82% afirmaram já ter destinado profissionais para acompanharem a implementação do Novo Processo de Importação. Em 73% delas, o assunto é tratado diretamente pelos gestores (diretores ou gerentes). Em relação a prazos, 66% dos respondentes acreditam que a adequação levará seis meses ou mais para serem concluídas. Luis Sena – Gerente Senior da Thomson Reuters “O Novo Processo de Importação, centrado na DUIMP, está previsto inicialmente para entrar em vigor no final de 2020, mas as empresas precisam se preparar desde já para estar 100% adequadas e garantir eficiência na operação. Os primeiros testes já começaram e são muito…

Continuar lendo

Exportações para a Europa a partir do Porto de Natal são retomadas após um mês

As exportações de frutas que saem do Porto de Natal com destino à Europa serão retomadas após um mês. A única empresa responsável por essa operação, a CMA-CGM, comunicou a volta à normalidade ao diretor presidente da Companhia Docas do Rio Grande do Norte (Codern), Almirante Öberg, nesta quinta-feira (21). A saída do próximo navio está programada para o dia 6 de abril. A empresa havia anunciado suspensão na operação no dia 21 de fevereiro, após apreensão de quase 3,3 toneladas de cocaína dentro de contêineres, nos dias 12 e 13 de fevereiro, o que teria gerado prejuízo para a imagem da empresa. Os exportadores do estado alegam que a ausência de uma máquina de escâner no terminal, que dificultaria a implantação das drogas em meio às cargas, seria um dos motivos que levou a transportadora a tomar a decisão. A estrutura custaria cerca de R$ 11 milhões. Em um dos trechos do documento enviado pela CMA-CGM à Codern, a empresa agradece o "plano de ação detalhado" de segurança e "os esforços que estão sendo realizados pela Diretoria da Codern" para o restabelecimento das operações. “Agradeço o voto de confiança da CMA-CGM. Reafirmo a nossa disposição em transformar o Porto…

Continuar lendo

Exportação brasileira de soja ultrapassa US$ 2,5 bi em fevereiro

As exportações do complexo soja (grãos, farelo e óleo) suplantaram pela primeira vez a barreira dos US$ 2 bilhões para o mês de fevereiro, registrando US$ 2,58 bilhões. O grande destaque foi a venda de soja em grão, com 6,1 milhões de toneladas. Com esse recorde na quantidade exportada (+112,7%), mesmo com a queda de 5,1% no preço médio, o valor da soja foi recorde no mês, atingindo US$ 2,21 bilhões (+101,8%). Esse desempenho contribuiu para que as exportações do agronegócio crescessem de US$ 6,27 bilhões para US$ 7,25 bilhões no mês passado. O incremento das exportações em 15,6% ocorreu, especialmente, devido à elevação de 20,8% no índice de quantum das exportações. As importações também aumentaram, passando de US$ 1,08 bilhão para US$ 1,20 bilhão em fevereiro deste ano (+10,4%). A participação do agronegócio nas exportações totais do Brasil em fevereiro atingiu 44,5%, de acordo com dados da Balança Comercial do Agronegócio, elaborados pela Secretaria Comercial e Relações Internacionais, foi feita nesta segunda-feira (18). Complexo soja Além das exportações de soja em grão, o setor exportou US$ 341,9 milhões de farelo de soja (-29,0%) e US$ 28,6 milhões de óleo de soja (-71,3%). As vendas de carnes foram de US$…

Continuar lendo

Exportação de carne bovina continua em alta

As exportações brasileiras de carne bovina registraram novo recorde em 2018, com crescimento de 11% em relação ao ano de 2017. Foi isso que informou o Rabobank, em uma análise publicada em seu relatório divulgado no mês de março, que indicou também que Hong Kong, China e Egito foram os principais destinos do produto. “No primeiro bimestre de 2019 as exportações continuam em alta, com crescimento de cerca de 7% em volume, comparado ao mesmo período de 2018.Entre os principais destinos, vale destacar que a Rússia voltou a importar carne bovina do Brasil. No entanto, comprou cerca de 4.200 toneladas (média mensal) durante o primeiro bimestre de 2019, enquanto a média mensal de 2017 foi acima de 12.000 toneladas. De toda forma, a Rússia voltou a ser uma importante opção que não estava disponível durante a maior parte de 2018”, diz o texto. E m relação ao mercado interno, o Rabobank afirma que o início do ano costuma ser um período de menor consumo, já que há concentração de alguns impostos e contas específicas a serem pagas pelas famílias. “No entanto, esperamos uma recuperação no consumo doméstico durante o ano devido às expectativas de melhora no cenário econômico local –…

Continuar lendo

Poder Judiciário reconhece que ausência de “carta protesto” não prejudica ressarcimento de seguro

O importador ou consignatário, ao receber as mercadorias compradas no exterior deve conferi-las, e para resguardar seus direitos por eventuais faltas ou avarias precisa apresentar as reclamações contra o transportador, sob pena de decadência, conforme prevê o artigo 754 do Código Civil. No caso de perda parcial ou de avaria não perceptível à primeira vista, o destinatário conserva a sua ação contra o transportador, desde que denuncie o dano em dez dias a contar da entrega, conforme estabelece o parágrafo único do referido artigo. O protesto não é prova inequívoca da ocorrência do dano e nem serve para impor responsabilidade, é um simples instrumento jurídico de declaração de ocorrência para preservação de direito, que permite ao recebedor de mercadoria reclamar eventuais danos supostamente ocorrido durante o transporte e constatados posteriormente à entrega. A formalização da reclamação é feita por meio de um documento denominado “carta protesto”, entretanto esse documento não substitui a vistoria técnica com a presença de todos os interessados e possíveis responsáveis, como assegura o princípio constitucional da ampla defesa e do contraditório (inciso LV, do artigo 5º da Constituição). Os indícios e vestígios de faltas e avarias são registrados nos documentos de recebimento dos depositários (TFA – Termo de Falta e…

Continuar lendo
×

Carrinho

preloader